Trilha para caminhada

Hoje vou falar sobre mais um tour “bate e volta” que você pode fazer aqui na Irlanda…vou contar como foi meu dia no Cuilcagh Mountain Park, onde fiz a trilha Cuilcagh Legnabrocky e subi a famosa escada Stairway to Heaven, que levam até o topo da montanha Cuilcagh e como foi a visita na caverna Marble Arch.

A trilha e a caverna ficam no condado de Fermanagh, na Irlanda do Norte. A cidade mais perto de lá é Belcoo, há cerca de 170 km de Dublin.

Para fazer esse tour eu e meus amigos alugamos um carro. Saímos de Dublin por volta das 8h30 da manhã e fomos direto para caverna Marble Arch, o que deu cerca de 2 horas e meia de viagem, com uma rápida parada para ir ao banheiro.

Para visitar a caverna é preciso pagar 11 pounds pelo passeio guiado (como é na Irlanda do Norte, o dinheiro muda). Não é possível conhecer a caverna sem guia, visto que é um lugar que precisa ser conversado e os visitantes têm que tomar alguns cuidados necessários com a segurança. 

Assim que um pequeno grupo de visitantes é formado, o tour sai em direção à caverna.

Vista da caverna
Vista da caverna

Para chegar à caverna é preciso fazer uma pequena trilha e descer alguns degraus, onde a gente já começa encontrar as belezas que nos esperam por lá. 

Assim que você entra na caverna, o guia te levará até um riozinho, onde você vai pegar um barquinho para ir até outra parte da caverna. O próprio guia dirige o barco e já começa a explicar sobre as belezas que se vê pelo caminho, como véus minerais translúcidos, cascatas de calcita, as estalactites (pedras que pendem no teto em direção ao chão) e as estalagmites (pedras que crescem no solo, apontando para o teto).

Barco na caverna
Parte do passeio é feita de barco
Belezas da caverna
Caverna guarda muitas belezas

Todo o passeio dura aproximadamente 75 minutos. A caminhada, por cerca de 1,5 km, não é muito difícil de fazer…eu achei até que é bem plana, com algumas escadas pelo caminho, e uma grande escada, de 154 degraus, para deixar a caverna.

Por todo o caminho o visitante é acompanhado pelo o guia que, além de explicar sobre tudo que podemos ver lá dentro e a história da caverna, também orienta sobre os cuidados necessários que precisam ser tomados durante o percurso, por exemplo, quando tem alguma pedra grande no meio da trilha. 

Estalactites
Estalactites se destacam

E uma das orientações mais importantes que os guias dão o tempo todo é sobre a proibição de tocar em qualquer pedra dentro da caverna. Essas formações demoram mais de mil anos para serem formadas e são muito frágeis, se alguém toca-las, além de poder quebra-las, o próprio óleo da mão de uma pessoa pode interferir no processo de formação dessas rochas. 

O “Porridge Pot”, é um bom exemplo do tempo que essas formações demoram para serem feitas… essa levou 50.000 anos para crescer a partir de gotas lentas que caíram do teto. 

Formações Estalactites
“Bacon” e “Panela de Mingau” são algumas das formações

Ahhh, um OBS que é legal falar aqui haha…uma vez a caverna recebeu a visita de moradores locais para nomear as formações da caverna de acordo com que eles julgavam que elas pareciam…por isso temos formações chamadas Porridge Pot (que significa panela de mingau) e Bacon hahaha (e não é que parecem mesmo hahaha).

A caverna e tudo que se vê por lá fazem parte de um Geoparque Global e, com mais de 650 milhões de anos de história, são reconhecidos pela Unesco por seu patrimônio geológico. 

Agora vai um pouco sobre a história da caverna… Até 1895 a caverna nunca tinha sido explorada, era mantida intacta e na escuridão, mas, então dois exploradores se aventuram por lá, se encantaram pelo que viram e começaram a mudar a história da caverna. Eles são o francês Edouard Alfred Martel, e o irlandês (de Dublin) Lyster Jameson. Martel, nessa época, já era muito experiente na exploração de cavernas e era considerado um expert no assunto.

Marble Arch
A belíssima Marble Arch

Na época, Martel sugeriu que a caverna pudesse ser um ótimo lugar para o turismo local, mas isso só começou a acontecer em 1985, quando Marble Arch foi aberta ao publico. E foi um sucesso…até hoje, a caverna já recebeu mais de 1,5 milhões de visitantes (e acredito que esse número não seja maior, por que é uma atração turística “pouco” divulgada…eu mesmo, moro por aqui há 4 anos e só fui ouvir dela ano passado – mas isso é só uma opinião minha haha)

É legal falar que o turista só caminha e conhece cerca de 1,5 km da caverna, mas, na verdade, ela tem aproximadamente 11,5 km de belezas naturais, que, para serem melhor conservadas e por questão de segurança, não são abertas a visitação. Marble Arch é a caverna mais antiga da Irlanda do Norte.

Reserva Natural Nacional de Marble Arch
Vista da Reserva Natural Nacional de Marble Arch

Depois do passeio na caverna, você pode aproveitar para passear na Reserva Natural Nacional de Marble Arch e contemplar a diversidade de insetos e flores silvestres que tem atrás do centro de informação. Infelizmente a gente não conseguiu fazer esse tour também…decidimos não visitar o parque natural, porque o céu começou a fechar e queríamos tentar aproveitar a caminhada pela Cuilcagh Legnabrocky, enquanto o tempo não ficasse ainda pior.

Então fomos para o Cuilcagh Mountain Park, que fica bem perto da caverna…cerca de dois minutos dirigindo.

A trilha Cuilcagh Legnabrocky, que te levara até o topo montanha Cuilcagh, tem cerca de 14,8 km (ida e volta, desde o estacionamento). Eu não achei um percurso muito difícil…quando eu fui tinha desde crianças até idosos fazendo a trilha. Talvez a parte mais chatinha seja um pouco antes de chegar à escada Stairway to Heaven e a escada em si, por serem trechos mais íngremes. A subida ao topo da montanha é de 550 metros.

Stairway to Heaven
A linda Stairway to Heaven

No começo na trilha, você vai percorrer um caminho de terra, mais tradicional, de cerca de 5,8 km…e depois, até chegar as escadas, você terá que andar por um calçadão de madeira, de 1,6 km. Esse calçadão foi feito em 2015 para preservar e restaurar a vegetação local, então é importante andar somente por ele.

Calçadão
Vista de parte do calçadão
Pausa de contemplação
Pausa para contemplar a vista… rsrs

E é a caminhada por esse calçadão, que, como eu falei, acredito que seja a parte mais “difícil” da trilha, por que é juntamente onde começa a subida que levar ao topo da montanha. 

Mas a visão desse lindo parque e da redondeza, que você pode contemplar durante toda a trilha compensa qualquer cansaço. Você caminha, aproveitando a vista para as montanhas Cuilcagh, o lago Atona e as cidades (ao longe) que cercam o lugar. 

E sobre o lago Atona é legal falar que ele foi formado por uma geleira durante a última idade do gelo, a cerca de 13 mil anos atrás.

Vista da neblina
A linda vista apesar da neblina

Como eu falar, quando eu fui o dia não estava lindo…não estava chovendo e nem frio, mas estava fechado e com neblina. Mas é Irlanda, sendo Irlanda né?! Nunca podemos acreditar em previsões de tempo ou semanas com dias maravilhosos aqui. Tudo pode mudar do nada. E assim foi…o tempo mudou do dia que combinamos o passeio até o dia que fomos. Mas como foi uma viagem de despedida para um amigo meu, resolvemos arriscar e ir mesmo com o tempo não estando tão bom. 

Por causa disso, a subida até o topo da montanha não foi das melhores. Estava com muita neblina e não conseguíamos ver muita coisa. Mas, quando estávamos descendo, o céu começou a abrir e pudemos aproveitar um pouco melhor…. e a vista de lá é mesmo linda e valeu ter ido até lá, e arriscado, mesmo com o dia não tão aberto. 

Neblina pode interferir
Neblina pode interferir
Sol na Stairway to Heaven
Mas tempo pode virar

Mas, com certeza, uma dica é: tente ir em um dia de sol. Eu dei sorte do tempo abrir, mas pode ser que isso não aconteça com você. A visão lá de cima é linda e vale a subida. 

No topo da montanha você pode ver ainda o Cairn antigo, que são os restos de um túmulo datado de 2.500 – 500 AC. 

Trilha para caminhada
Trilha pode levar 3 horas de caminhada

Se você tiver um condicionamento físico bom, o cálculo é que a trilha seja feita em aproximadamente 3 horas.   Quando acabamos de fazer a trilha, voltamos para Dublin e chagamos aqui por volta das 19 horas. Foi um dia de passeio bem legal e eu super recomendo.

Texto e fotos by Flávia Pigozzi.

Acompanhe outras dicas e informações em nosso canal no facebook. Curta #viveajantes. Ou no Twitter, siga @viveajantes. Veja nossa galeria de fotos no Flickr, inscreva-se em nosso novo canal de vídeos no Youtube. Entre em contato, mande suas críticas, sugestões, contribuições via e-mail: viveajantes@bol.com.br  . E não perca nossas postagens. Novo conteúdo todas as semanas.

Veja nossa galeria:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *