Como vocês viram e eu falei várias vezes também, já que eu não estou conseguindo viajar para fora do país ultimamente, estou investindo todo o tempo que tenho livre para conhecer melhor a Irlanda e, por isso, no último feriado prolongado, eu fiz uma viagem para a região de Kerry.

E a região é tão incrível que já me rendeu duas publicações, uma sobre o que fazer em Killarney e o Killarney National Park  e outra sobre o passeio que fiz pelo Ring of Kerry.

Hoje vou escrever o último texto sobre essa viagem, que já deixou gostinho de quero mais e a vontade enorme de voltar para a região assim que possível. No post de hoje vou falar sobre o tour que fiz para o Gap of Dunloe, um dos meus lugares favoritos na Irlanda hoje em dia, e um dos locais mais bonitos que já visitei.

Bom, como eu falei, no primeiro dia de passeio eu visitei Killarney e os principais pontos turísticos da cidade, no segundo dia por lá eu fiz um tour para o Ring of Kerry e no terceiro dia fomos para o Gap of Dunloe.

Meu Deus, que lugar lindo! Fiquei encantada. Achei o Gap of Dunloe muito mais bonito que lugares também incríveis e -talvez- mais populares aqui do país, como o Cliffs of MohorWicklow, ou Giant’s Causeway, na Irlanda do Norte, por exemplo!

Como vocês leram na última publicação sobre o Ring of Kerry, eu fiz o passeio com uma cia de turismo da cidade, mas, esse tour em particular (Ring of Kerry), eu acredito que talvez seja melhor fazer por conta própria, com uma carro alugado, e ficar o tempo que tiver vontade em cada parada.

Porém, o passeio para o Gap of Dunloe, eu achei que valeu MUITO a pena fazer com cia de turismo. Aliás, acho que foi o melhor tour desse tipo, em grupo e com horários estabelecidos que já fiz (como falo sempre, eu não gosto muito desse tipo de passeio com muitas pessoas e com horários restrito para tudo). Valeu muito a pena.

Começamos o dia nos encontrando na cia de turismo por volta para 10 da manhã, e o micro ônibus saiu de lá cerca de 10h15, direto para o Ross Castle.

Chegando ao castelo, tivemos um tempinho para visita-lo (só por fora, não tínhamos tempo que entrar) e tirar algumas fotos.

Como falei no primeiro post, sobre Killarney, o Ross Castle, que fica em uma península a margem do lago Lough Lane, foi feito pela família  O’Donoghue no século 15, mas mudou de dono durante ao passar dos anos.

Depois do tempinho que ficamos no castelo, começou a parte mais legal do tour. Pegamos um barquinho, ali no rio que margeia o castelo e fomos “navegar” pelos três rios do Killarney National Park, os Upper LakeMiddle Lake – ou  Muckross Lake –  e Lower Lake – ou Lough Lane.

Foi mais ou menos uma hora e meia de passeio, no meio dos rios do parque, entre as montanhas verdinhas e os a animais que moram por ali. Foi lindo!!! Umas paisagens maravilhosas.

Não estava frio, aliás, estava calor, então foi muito mais gostoso. Aproveitamos bastante.

Passamos pelos três rios do Killarney National Park; voltei para alguns lugares que eu já tinha visitado por terra, como o Meeting of Waters (que comentei no primeiro texto) e vimos, do meio do rio, pontos que também já tinha passeado antes, como o Lady’s View (que falei sobre no segundo post).

Depois do passeio de barco, paramos na Lord Brandon’s Cottage, onde almoçamos e relaxamos um pouco para continuar o tour.

Se o passeio do barco foi maravilhoso, com paisagens incríveis, eu mal sabia o que viria agora.

Nesse momento do tour foi quando conhecemos o Gap of Dunloe. Meu Deus, que lugar lindo (já falei isso, mas não custa repetir hahaha).

Essa parte da viagem cada um faz “por conta”. Você fica livre para percorrer todo o Gap of Dunloe como quiser… caminhando, de charrete, de bicicleta ou de carro. Mas você tem que fazer todo o percurso em duas horas e meia, mais ou menos… e encontrar o grupo e o guia na Kate Kearney’s Cottage no final, para pegar o ônibus e voltar para cidade.

Então, você que administra seu tempo, as paradas para tirar fotos e relaxar, o ritmo que quer caminhar (caso decida ir andando).

Eu fui caminhando!!! É uma longa caminhada. O Gap of Dunloe tem cerca de 11,300 km de subidas, decidas e passagens lindas. Mas, como falei, você pode levar uma bike e fazer o trajeto pedalando… pode colocar a bicicleta no barquinho aliás, sem problemas. Consegue também pegar uma das charretes… acho que para alugar uma charrete custa 40, 50 euros (não lembro certo). Ou também, pode combinar com alguém para te buscar de carro, e fazer o resto do percurso mais rápido… mas não recomendo essa opção… hahaha… foi muito legal a caminhada.

É legal falar que esse tour tem dois roteiros, mas que fazem o mesmo percurso. A diferença é que um sai do Ross Castle, vai para o passeio de barco, para na Lord Brandon’s Cottage e segue pelo Gap of Dunloe até chegar na Kate Kearney’s Cottage  e o outro roteiro faz o caminho inverso…sai da Kate Kearney’s Cottage, conhece o Gap of Dunloe primeiro, também descansa e toma um lanche na Lord Brandon’s Cottage, faz o passeio de barco até chegar no Ross Castle.

Não sei qual das duas opções é melhor, por que não tem nenhuma diferença… talvez a segunda você possa descansar mais no barco depois de toda a caminha pelo Gap. Eu fiz a primeira opção.

Ahhh… vale frisar que para quem quiser fazer o tour pelo Gap de charrete, elas que ficam esperando os turistas tanto na porta do Lord Brandon’s Cottage, como na saída do Kate Kearney’s Cottage.

Bem…. continuando.

Depois de comer e relaxar um pouco na Lord Brandon’s Corttage eu comecei a caminhada pelo Gap of Dunloe. Cada paisagem maravilhosa… montanhas, rios, céu azul, ovelhas no pasto verdinho, casinhas espalhadas no meio de tudo isso.

O Gap é um vale entre duas montanhas, Reeks Macgillycuddy e a Purple Mountain. Por todo o caminho são 5 lagos, Coosaun Lough, Black Lake, Cushnavally Lake, Auger Lake e Black Lough. Durante o percurso existem ainda algumas pontes, e uma delas é a Wishing Bridge… e segundo contam, você pode fazer pedidos enquanto a atravessa, que todos eles serão realizados.

Foram duas horas de caminhada…. confesso que no final estava um pouco cansada, mas é tudo tão lindo e o tempo passou tão rápido, que não deu para sentir o “peso” dos quase 12 kms.

Chegando à Kate Kearney’s Cottage tivemos um tempo ainda para comer e descansar para depois pegar o ônibus e voltar para cidade. Chegamos a Killarney por volta das 5 horas.

Foi um passeio muito bom!!! Eu super recomendo.

Bem. Esse foi o terceiro e último post sobre a viagem para Kerry. Um lugar lindo, cheio de paisagens maravilhosas, muita natureza, ótimo para relaxar e desconectar um pouco da cidade grande.

A região de Kerry é, sem dúvida, um lugar que vale muito a pena visitar.

Texto e fotos by Flávia Pigozzi.

Acompanhe outras dicas e informações em nosso canal no facebook. Curta #viveajantes. Ou no Twitter, siga @viveajantes. Veja nossa galeria de fotos no Flickr, inscreva-se em nosso novo canal de vídeos no Youtube. Entre em contato, mande suas críticas, sugestões, contribuições via e-mail: viveajantes@bol.com.br  . E não perca nossas postagens. Novo conteúdo todas as semanas.

Veja nossa galeria:

O que você achou dessa postagem?
  • As dicas são fantásticas (0)
  • Incrível (0)
  • Deu muita vontade de viajar (0)
  • Sensacional (0)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *