Viveajantes

Sugestão de hospedagem em Berlim: Park Inn

Olá, Viveajantes! Hoje trago uma postagem especial para aqueles que procuram um lugar bacana para curtir Berlim. Trata-se do hotel Park Inn, um point estratégico para você conhecer uma das mais lindas capitais europeias.

O Park Inn fica na Alexanderplatz, uma das praças mais descoladas de Berlim. A gigantesca construção impressiona, não somente por seu tamanho, são 37 andares, mas também por seu movimento. Com um aconchegante bar e um restaurante super completo, o hotel tem movimento o tempo todo. Difícil ficar sem ter o que fazer, até mesmo nas madrugadas.

Sua localização é fantástica. Está a uma caminhada de lindos pontos turísticos, restaurantes, igrejas, e ao lado de um shopping/galeria com ofertas fantásticas. Prometo, muito em breve, publicar aqui um texto completíssimo sobre como aproveitar Berlim ao máximo.

Mesmo com facilidade de transporte, algumas linhas de ônibus te levam pra todos os lados, além dos próprios ônibus de turismo, a sugestão é que você explore os arredores o máximo que der a pé. O Portão de Brandemburgo, por exemplo, está a poucas quadras do hotel, e se você fizer uma “exploração” noturna, verá e se encantará com o espetáculo de luzes em algumas construções da cidade.

Mas e o que esperar do quarto? Num primeiro momento, um susto… sim, porque entre o banheiro e o quarto em si não existe separação. Nada de paredes. O que existem são dois cubículos, fechados com uma porta de vidro, um para o chuveiro, e outro para o vaso sanitário, que prometem toda a privacidade que você merece. Sério!!! Depois de uns dois ou três dias você até acostuma, mas banheiro sem paredes é a primeira vez…

E o quarto… a vista é um detalhe à parte. Do trigésimo quinto andar, onde fiquei hospedado, se tem uma visão deslumbrante da cidade. Segundo consta existe um mirante no trigésimo sétimo andar, mas tem um horário para visitação e não consegui vê-lo. Para hóspedes é uma atração gratuita, mas para quem está só de passagem, a subida custa alguns euros (5, se não me engano).

No mais, cama super confortável, chuveiro com um super banho (e sem aquela cortininha chata que gruda no corpo e que alguns hotéis das Américas cismam em manter). Televisão com programação variada, e muitos canais em espanhol, e um wi-fi bem eficiente, não fossem os quatro dólares diários por equipamento (se você acessar via celular e notebook, por exemplo, paga duas vezes).

Faltou um frigobar e um microondas para facilitar a vida de quem curte fazer uma boquinha dentro do quarto. Acabei conseguindo gelo no bar do térreo e fiz um bem bolado com umas garrafas térmicas da Coca-Cola que ganhamos em um posto de gasolina, mas sem isso, teria sido complicado tomar um suco ou curtir um iogurte no quarto. No entanto você encontrará uma cafeteira/chaleira, que ajuda caso queira uma bebida quente.

O atendimento é de primeira. Sempre solícito e super esforçado pra te ajudar em qualquer idioma. Claro que o português é sempre mais complicado, mas se você arrasta um inglês, já consegue se virar bem por lá.

O café da manhã tem uma boa variedade de opções. A área onde o café é servido, no primeiro lugar, costuma ficar sempre lotada, por isso a sugestão é que você acorde cedo, pra não ter que brigar por um par de cadeiras.

Aqui cabe um parênteses… curioso ver que o hotel é super movimentado, a área de café da manhã fica a dois lances rápidos de escada, e não existe nenhum controle para saber se você é hóspede ou não. Talvez eu esteja mal acostumado… sabe como é, essa coisa do tipo “ahhh, se fosse no Brasil”, mas é impressionante ver a confiança que o hotel tem e, acho que acima de tudo, o respeito que as pessoas que simplesmente estão de passagem tem em não dar um “migué” e levar um café da manhã na faixa. Bom… acho que o pensamento errado é o meu… enfim…

Os elevadores são super eficientes. Um deles vai até o vigésimo andar, o outro a partir do vigésimo andar até o último. E é tão rápido que em uma das vezes fiquei até com o ouvido tampado… rsrsrs… pode parecer que não, mas não vai te deixar na mão (até rimou…).

Mas e o preço? Bom, pra ser bem honesto, você estará em Berlim pagando o que pagaria, muito provavelmente, por um hotel bem inferior em Buenos Aires, ou até mesmo uma pousada mais simples no Brasil. Surpreendentemente, o custo benefício é super válido. Estive lá em outubro, e paguei cerca de R$350,00 pela diária, pelo pacote e tudo mais. Hoje, numa rápida consulta, vi que a diária pode variar de R$250,00 a R$400,00. Vale pesquisar e escolher a época mais barata.

Boa localização… bom atendimento… bom custo/benefício… quarto confortável… ótimo café da manhã… é um pacote completo. E pra você que busca conforto e a dose certa de todos esses elementos citados, pode escolher o Park Inn tranquilamente. É uma daquelas opções pra ficar no topo da sua lista quando seu destino é Berlim.

E você, já esteve no Park Inn? Tem alguma sugestão bacana para compartilhar com a gente? Então escreve, mande sua dica, sua sugestão, sua experiência, e vem viajar com a gente.

Grande abraço!!!

Texto e fotos by Ricardo Seripierro

Acompanhe outras dicas e informações em nosso canal no facebook. Curta #viveajantes. Veja nossa galeria de fotos no Flickr, inscreva-se em nosso novo canal de vídeos no Youtube. Entre em contato, mande suas críticas, sugestões, contribuições via e-mail: viveajantes@bol.com.br  . E não perca nossas postagens. Novo conteúdo todas as semanas.

Veja nossa galeria:

 

 

 

 

O que você achou dessa postagem?
  • As dicas são fantásticas (3)
  • Deu muita vontade de viajar (1)
  • Sensacional (0)
  • Incrível (0)
 

Um comentário sobre “Sugestão de hospedagem em Berlim: Park Inn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *